Blog Luis Castro - Transparência em primeiro Lugar!

Escolas vazias em Codó no 2° turno das eleições para presidente

No Maranhão como não houve 2° turno para governador. O voto nas urnas está entre 15 segundos. Fazendo com que não forme fila de espera entre um eleitor e outro.

Também as escolas estão vazias já que a abstenção nas urnas Codoenses deve passar dos 20% a mais que o 1° turno.

Em todas escolas o que se ver é isso. Espaços vazios sem eleitores praticamente. Na escola Senador Archer mesarios afirmaram que o dia todo foi assim de seções tranquilas é vazias.

Escola Senador Archer

Muitos Codoenses irão optar por pagar a multa ou votar nas últimas horas antes do encerramento.

Não houve nenhuma ocorrência policial até o momento e tudo ocorre bem.

Tiririca é reeleito deputado federal em SP com 445 mil votos

Após voltar atrás no jejum da política, o candidato a deputado federal Tiririca (PR-SP) foi reeleito com 445.521 mil votos, cerca de 2,15% do total, para o seu terceiro mandato. Em São Paulo, 95% das urnas já foram apuradas.

Brazilian Rep.-elect Francisco Everardo Oliveira Silva, better known by his clown name Tiririca, gestures during the inauguration ceremony for deputies at Brazil’s National Congress in Brasilia February 1, 2011. REUTERS/Ueslei Marcelino (BRAZIL – Tags: POLITICS)

Além dele, nomes como Eduardo Bolsonaro (PSL), Joice Hasselmann (PSL), Celso Russomano (PRB) e Kim Kataguiri (DEM) também foram eleitos.

Tiririca havia desistido da candidatura no fim de 2017 por se dizer “decepcionado com a Câmara”,mas desistiu da desistência e, em agosto, se lançou oficialmente na disputa do pleito com um adendo: quer voltar às tribunas para poder disputar a presidência em 2022.

Um dos objetivos da campanha do humorista Francisco Everardo Oliveira Silva era ser eleito “com a maior quantidade de votos da história do país”. Nas eleições de 2010, ele foi o deputado mais votado do país, com mais de 1,3 milhão de votos. Em 2014, o deputado ficou com a segunda posição entre os candidatos mais votado, com 1 milhão de votos. Este ano, Tiririca teve xxx votos.

Antes de virar político, Tiririca era conhecido por suas roupas coloridas e piadas em programas de televisão. Na sua primeira campanha à Câmara, ele usou como slogan “Tiririca, pior que tá, não fica.”

Em 2013, o político chegou a ser apontado pelo jornal Financial Times como “reflexo da disfuncionalidade da política brasileira”, já que, em sua primeira eleição, o palhaço se beneficiou a partir dos votos de protesto dos eleitores paulistas. O Financial Times relembra como os slogans da campanha eleitoral do comediante “deliberadamente” satirizavam a política brasileira.

Em uma das peças mais famosas, Tiririca confessava que não sabia exatamente qual era o papel de um deputado: “Você passa dias inteiros fazendo nada, só aguardando para votar alguma coisa enquanto as pessoas discutem e discutem.”

Sugerir voto por WhatsApp a partir da 0h de domingo é crime

Quem fizer campanha para um candidato ou partido político pelas redes sociais no dia da eleição pode ser punido com multa de até R$ 15.961,50

Propaganda no dia de eleições é crime

Propaganda no dia de eleições é crime

Reprodução/Justiça Eleitoral

Os eleitores brasileiros vão às urnas no próximo domingo (7), para eleger deputados federal e estadual, senadores, governador e presidente. Esta é a primeira eleição que a internet e as redes socais foram permitidas durante a campanha eleitoral, mas pedir votos no dia das eleições por WhatsApp e outras redes sociais é crime.

A partir da meia-noite do dia de domingo, está proibido fazer qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos, segundo o artigo 81 da resolução 23.551, do Supremo Tribunal Eleitoral.

Conforme o artigo, está passível à punição o responsável por “publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdos nas aplicações de internet”, no entanto, publicações feitas até 23h59 do sábado (6) podem continuar no ar durante o dia de eleições.

O advogado Luiz Silvio Moreira Salata, presidente da Comissão de Direito Eleitoral da OAB-SP, afirma que quem enviar nome ou número de candidato, independentemente do cargo que está disputando, por qualquer rede social está infligindo a lei.

Isso significa que usar o WhatsApp, Facebook, ou qualquer outra rede, para enviar mensagens e tentar converter votos para um determinado candidato pode ser considerado um crime eleitoral.

Também está sujeito a punições o eleitor que fizer pedidos por votos em branco ou nulo.

O advogado diz que qualquer pessoa que se deparar com infrações nas redes sociais pode tirar print (captura de tela) da propaganda e encaminhar para o Ministério Público, para a denúncia ser apurada e formalizada.

O responsável por desrespeitar a lei pode ficar preso de seis meses a um ano ou ter a pena convertida em prestação de serviços à comunidade. Outra punição possível é o pagamento de uma multa que varia de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50.

Segundo o presidente da Comissão de Direito Eleitoral, caso o candidato divulgado saiba da propaganda, também poderá sofrer punições.

O prazo para candidatos fazer propaganda eleitoral na internet, revistas e jornais foi até esta sexta-feira (5). O artigo 43 da Lei Eleitoral (9.504/1997) aponta que neste sábado, véspera das eleições, não poderão mais ser realizadas divulgações pagas e propaganda eleitoral na imprensa escrita, internet e jornais.

De acordo com Salata, “cada caso tem que ser analisado individualmente”. Ele ainda diz que caso o próprio candidado faça a propaganda, além de poder ser preso ou multado, corre o risco de ter a candidatura cassada.

Por R7

Entenda o que pode e o que não pode fazer no dia da eleição

Qual é o horário para votar?

Os eleitores podem votar entre 8 e 17 horas no dia 7 de outubro.

Qual é o local de votação?

Cada eleitor precisa conferir a sua zona e seção eleitoral. Pode ser pelo portal to TSE, onde é possível fazer a consulta por nome ou pelo número do título de eleitor. Também é possível baixar no celular o aplicativo oficial e-Título (para iOS e Android) ou consultar os assistentes virtuais do TSE no Twitter e no Facebook.

Qual documento devo levar?

Muita gente acha que o título de eleitor é obrigatório para votar, mas ele não é. Embora o TSE recomende que o eleitor esteja com ele em mãos para votar, já que ali está indicado informações sobre a zona e a seção eleitoral onde se deve comparecer. É obrigatório, sim, levar um documento oficial com foto: RG, passaporte, carteira profissional, certificado de reservista, carteira de trabalho, Documento Nacional de Identidade (DNI) ou carteira nacional de habitação são válidos. Segundo o site do TSE, baixar o aplicativo oficial e-Título e apresentá-lo com o cadastro devidamente preenchido serve como título de eleitor digital. Certidão de casamento ou nascimento não têm foto e, portanto, não servem como prova de identidade na hora de votar.

Qual será a ordem de votação na urna eletrônica?

Essa será a ordem de votação, ou seja, assim aparecerá na urna eletrônica:

  1. Deputado federal
  2. Deputado estadual ou distrital
  3. 1º Senador
  4. 2º Senador
  5. Governador
  6. Presidente

Essa ordem retoma o que vinha sendo feito desde 1998. Em 2010 e 2014, a ordem foi diferente e começava pelo voto no deputado estadual. Se o eleitor tiver dúvidas sobre como funciona a urna eletrônica e como votar, ele pode usar o simulador do TSE disponível aqui.

O que é proibido levar e fazer na seção eleitoral?

O eleitor pode fazer uma manifestação “individual e silenciosa” sobre seu candidato. Assim, é permitido ele ir com um broche, adesivo, boné ou camiseta de um partido ou candidato, por exemplo. Desde que, novamente, isso seja silencioso e individual. Ele não poderá, por outro lado, pedir votos ou fazer propaganda do candidato verbalmente, tampouco tentar convencer alguém no local a votar em alguém. Detalhe: camisas e bonés devem ter sido feitos pelo próprio eleitor. Se for camisa ou boné oficiais feitos pelo partido, um juiz pode entender que aquilo é propaganda distribuída pelo partido ou candidato e, assim, ilegal. Já uma aglomeração de pessoas portando bandeiras e camisas de um candidato pode configurar, na visão de um juiz, propaganda eleitoral ilegal. Na zona eleitoral nenhum eleitor deve distribuir “santinhos” ou fazer qualquer tipo de propaganda eleitoral. Também não é permitido oferecer alimentos ou caronas para levar eleitores até o local de voto ou utilizar carros de som para induzir voto.

Pode tirar selfie na urna?

Não. O eleitor não pode usar durante a votação celular, máquina fotográfica, filmadora ou outro aparelho similar. O eleitor não deve ir com celular para votar na seção. Se levar, deve deixá-lo desligado com os mesários enquanto vota.

Pode usar a famosa “cola” para lembrar os números dos candidatos?

Sim, não há regras quanto ao lembrete na urna. Inclusive, o TSE disponibiliza uma cola para baixar, imprimir e usar no dia da eleição. Baixe aqui.

Um eleitor com algum tipo de deficiência pode ter ajuda para votar?

Sim, ele pode pedir ajuda a alguém de confiança durante a votação, mesmo que não tenha pedido ajuda antecipadamente à Justiça Eleitoral. O presidente dos mesários da seção do eleitor pode autorizar a entrada dessa segunda pessoa na sala para auxiliá-lo na votação na turna.

Aniversariante do dia: Prefeito Francisco Nagib

O aniversariante do dia é o prefeito de Codó Francisco Nagib. Onde o prefeito completa seus 34 anos.

O BLOG do Luis Castro deseja muitas felicidades e deseja saúde, paz e forças para conquistar o resto.

O BLOG do Luis Castro também deseja um feliz aniversário a todos aniversariantes do dia.